2014 Indie Live/Ao vivo Pop Rap/Hip-Hop Resenhas Rock

Damon Albarn – Live At The De De De Der (2014)

Damon_Albarn_-_Live_at_the_De_De_De_Der

Com participações muito especiais de De La Soul, Kano, Graham Coxon e Brian Eno e dá uma geral em sua carreira em duas noites no Royal Albert Hall, em Londres

por Lucas Scaliza

Após lançar um dos melhores discos do ano, Damon Albarn fechou 2014 com dois shows em Londres, no famoso Royal Albert Royal. Ele não levou aos palcos apenas o seu primeiro trabalho totalmente solo – o inventivo, melancólico e ótimo Everyday Robots –, mas toda a sua carreira.

Os dois dias de shows foram registrados nos dois ao vivo Live At The De De De Der, um do dia 15 de novembro e outro do dia 16. O repertório de ambos é idêntico e têm músicas solos, do Gorillaz, do The Good, The Bad & The Queen e, claro, do Blur.

2014DamonAlbarn_Getty487513975_010514

Um dos destaques é ver como Albarn adaptou canções de Everyday Robots para funcionarem ao vivo. Baixo, bateria e piano fazem um excelente trabalho nesse sentido, entregando o mesmo clima encontrado no álbum de estúdio, mas com aquele gosto de espontaneidade, de recriação ao vivo, já que alguns efeitos eletrônicos ficaram de fora (mas há o teclado de Mike Smith e um quarteto de cordas para completar “Lonely press play”, por exemplo, e os efeitos concretistas característicos de “Everyday robots” estão lá também).

Toda a melancolia de “Hostiles” também fez parte do show no Royal Albert Royal. “Photographs” ganhou um final climático cm direito a improviso no piano e uma dinâmica crescente e arrebatadora que faz a ponte para animada “Kingdom of Doom”, do TGTB&TQ. “You and me” e Hollow ponds” fecham o primeiro disco. A interpretação de Albarn em “You and me” é uma das melhores partes deste ao vivo, principalmente quando canta apaixonada e sofridamente os últimos refrãos (“Blame, blame, blame me when the twilight comes”).

Damon Albarn alternou suas músicas novas com velhas conhecidas do público, nunca deixando que a melancolia tomasse conta por completo do clima do show. Assim, mandou uma ótima versão de “Tomorrow comes today”, “Slow country”, “Kids with guns”, “El mañana” e “Don’t get lost in the heaven”, todas do Gorillaz ao longo do show. Como é um músico interessado em diversas formas de música (opera, rock, pop, funk, hip hop, eletrônica, etc), mandou dois covers de música do Mali: a instrumental “Bamako city” e a bela “Sunset coming on”, ambas com a participação dos músicos Afel Bocoum e Madou Sidiki Diabete.

Albarn aqueceu os motores do Blur mandando com sua banda solo “Out of time” e “All your life” e saiu do palco. Ao voltar para o primeiro bis, chamou ao palco Graham Coxon, guitarrista do Blur. Ao lado dele, Damon mandou a tríade “End of a century”, “The man who left himself” e uma versão de 9 minutos de “Tender”, para não deixar nenhum fã do grupo inglês triste.

O segundo bis começou com “Mr. Tembo”, uma das únicas músicas animadas de Everyday Robots (embora seja sobre um elefante que morreu) com a participação do coral gospel The Leytonstone Mission Choir. O trio de rappers americanos De La Soul subiu ao palco logo depois e entoaram um riso característica para dar início a “Feel good Inc.”, sucesso de Demon Days (2005), do Gorillaz. Eles incendiaram o show. Kano, um rapper inglês, tomou seu lugar para um dos maiores sucessos de Albarn e sua banda animada, entregando uma versão longa e cheia de groove de “Clint Eastwood”. Esperto, Kano não seguiu a letra original da música e deu ao público uma nova versão, cheia de improvisos, vigorosa e violenta.

Por fim, o produtor Brian Eno, uma figura de vanguarda na música europeia, se juntou a Albarn e sua banda para encerrarem o show com a ótima “Heavy seas of love”, música que também fecha Everyday Robots.

Acompanhado de um quarteto de cordas, um coral formado por seis cantores, várias participações especiais e Mike Smith no teclado, Jeff Woothon na guitarra Seye Adelekan se dividindo entre baixo e ukelelê e Pauli Stanley-McKenzie na bateria, Damon Albarn coroa com Live At The De De De Der um ano em que sua musicalidade deu sinais de vida pulsante e criatividade que não cessa. Um jovem que iniciou sua carreira no britpop agora atinge patamares bem mais elevados e como bem disse o Bruno Chair, o outro editor do Escuta Essa!, Damon não precisa provar mais nada para ninguém. Um artista em um de seus melhores momentos, desfrutando de amizades importantes e entregando dois shows perfeitos no Royal Albert Hall.

3 comentários em “Damon Albarn – Live At The De De De Der (2014)

  1. Pingback: Blur – The Great Escape (1995) comemora 20 anos | Escuta Essa!

  2. Pingback: Blur – The Magic Whip (2015) | Escuta Essa!

  3. Pingback: Vince Staples – Big Fish Theory (2017) | Escuta Essa!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: