2016 Pop punk Resenhas Rock

ROAM – Backbone (2016)

roam backbone

Em seu álbum de estreia, o ROAM desenvolve uma releitura fiel e interessante do pop punk dos anos 2000

por brunochair

Pode parecer estranho, mas a partir de agora falaremos sobre uma banda inglesa de pop punk. Mas, o pop punk não é um estilo especificamente estado-unidense? Quando da criação do estilo, sim. Mas, para quem acompanha o blog, já sabe que bandas ultrapassam essa fronteira de estilos, e surfando pela mundialização cultural, acabam desenvolvendo sonoridades que não são comuns à nação delas, propriamente. Por exemplo: neste blog, já falamos sobre uma banda australiana (Hiatus Kaiyote) que trabalha com o fino da soul music, reinventando-a; já falamos sobre uma banda italiana (Barock Project) que desenvolve um rock progressivo refinadíssimo; no Brasil, temos o Bixiga 70 e o Aláfia, que mesclam elementos afro-brasileiros ao funk e ao soul.

Pode parecer, mas não é estranho. O pop punk é um estilo que surgiu em plena época da internet, e após o seu auge, bandas de diversas nacionalidades pipocaram no mainstream. O ROAM é um exemplo desta seara: trata-se de uma banda genuinamente de pop punk, surgida em 2012 em Eastbourne, Reino Unido. Após a gravação de alguns singles e EP’s, em 2016 lança o seu primeiro disco, chamado Backbone. E sim, as referências do grupo são as que você, familiarizado com o estilo, certamente já conhece: Blink 182, Sum 41, Green Day*, My Chemical Romance. Foge um pouco da ideia do power trio, pois são cinco os integrantes da banda: Alex Costello, nos vocais; Alex Adam, na guitarra e Vocais; Sam Veness, na guitarra; Matt Roskilly, no baixo; Charlie Pearson, na bateria.

roam backbone2

As duas guitarras no grupo dão um peso maior para as canções. Em algumas passagens, encontramos até um flerte da banda com o new metal. Como exemplo, a canção “Hopeless Case” lembra muito algumas intros do Papa Roach. Lembrando que o new metal também nasceu nos Estados Unidos, também no momento em que florescia a internet. São, portanto, estilos que estão acima de qualquer fronteira/nação, e que influenciam diretamente o ROAM.

Ao mesmo tempo, é interessante observar que são estilos que tiveram o seu auge no mainstream, e hoje estão com um grau de visibilidade bastante restrito. Ainda assim, temos bandas que apostam em composições no pop punk e no new metal, em seu estilo irreverente, adolescente e urbano, letras com temáticas próximas a este universo. E o ROAM, que é um grupo que ainda está no underground, desenvolve este disco (Backbone) em grande estilo, dentro dessa perspectiva do punk pop. Se você gosta destes estilos dos 00’s, creio que vá curtir este álbum do ROAM. É uma releitura fiel e bem interessante de tudo o que já foi produzido nestes estilos.

*Aliás, a capa do disco (desenhada, toda colorida) me fez lembrar a capa do Dookie, do Green Day.

0 comentário em “ROAM – Backbone (2016)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: