2016 Pop r&b Rap/Hip-Hop Resenhas Soul

Anderson .Paak – Malibu (2016)

Anderson Paak Malibu

Malibu traz letras confessionais, belos arranjos e simbiose de estilos musicais 

por brunochair

Tem discos que a gente não gosta logo de cara. Ouve uma vez, duas… acha legal, mas deixa para um dia mais inspirado. E os dias passam, e a gente deixa de ouvir. Aí, num dia totalmente aleatório, colocamos o disco mais uma vez pra tocar e meus-deus-do-céu-que-som-da-hora! Pois foi isso que ocorreu comigo, ao ouvir Malibu, do Anderson .Paak. Ouvindo pela terceira ou quarta vez, comecei a notar uma série de arranjos e samplers certeiros, e cheguei à conclusão que trata-se de um disco obrigatório de 2016, para quem gosta de novidades e de um artista que curte flutuar por distintos estilos musicais.

Anderson .Paak transita pelo r&b, hip hop e soul com uma grande facilidade. Dentro da mesma música, é possível encontrar estes três estilos atuando concomitantemente. E ele não faz de forma proposital ou forçosa: os samplers enlaçam frases do piano como se ambos fossem eternos amigos, e não concorrentes. O vocal de .Paak, que até se parece um pouco com o de Kendrick Lamar, alterna momentos de euforia, confissão, emoção e verborragia. Ou seja, Malibu acaba por ser o lugar dos que gostam de música genuína, sem rótulos ou ideias definidas.

Boa parte das letras de Malibu refletem aspectos pessoais da vida de .Paak, que passou por dificuldades relacionadas aos pais (ambos presos) e com a sua própria família (mulher e filho) que foram expulsos de uma fazenda em que viviam, ficando assim sem eira nem beira. A intro de Malibu, chamada “The Bird”, relata um pouco destas questões pelas quais o rapper passou, durante toda a sua existência: ” My mama caught the gambling bug / We came up in a lonely castle/ My papa was behind them bars / We never had to want for nothing / Said all we ever need is love”. Questões decorrentes de amores complexos, não resolvidos e impossíveis de levar adiante também são mote para inspiração de várias músicas de Malibu.

Anderson Paak Malibu3

Porém, se engana quem estiver pensando que é um disco com melodias tristes, porque confessional. Pelo contrário, Anderson .Paak apresenta arranjos e samplers animados, “pra cima”, representando frescor e um certo clima de veraneio. O compositor tem aquela habilidade de narrar os fatos e atos de forma bem leve, como se fosse um enfermeiro conversando com você antes de aplicar aquela dolorida injeção. No fim, você acaba por agradecê-lo pela aplicação não ter sido tão dolorida assim.

As influências de Anderson .Paak passam pelo já citado Kendrick Lamar, Dr. Dre (artista que .Paak conhece bem, pois produziu seis músicas do último disco dele), D’Angelo, Bilal, Eric Roberson, Avant, Ne-Yo, Ben Harper, Toro Y Moi. Ou seja, são artistas que trabalham nessa zona do soul (“Celebrate”), r&b (“Sillicon Valley”, “The Dreamer”), hip-hop e conseguem mesclar os estilos musicais com bastante propriedade. Malibu parece ter essa intenção finalística, essa vontade de traduzir sentimentos em melodias suaves, embora complexas e diversificadas.

Uma curiosidade do disco é a música “Without You”, produzida por 9th Wonder. Essa música tem como base um sampler improvisado e criado a partir de uma música do Hiatus Kaiyote, chamada “Molasses”. Aliás, no fim da música a Nai Palm canta a parte “Might not, get, might not, get any better”, que está bem no início da canção. Assim como esta música, Anderson .Paak contou com o auxílio de outros produtores no decorrer de Malibu, como Madlib e Dj Khalil, que o auxiliaram nesta tarefa de procurar o sampler perfeito, algo que pudesse preencher as ideias que compõem o disco.

Enfim, mais um álbum indicado para quem gosta de música. Independente de estilo musical, de faixa etária, se repleto de alegrias ou melancolias. É um álbum verdadeiro, muito bem produzido, contemporâneo e respeitoso para com o passado. Se eu não gostei logo de cara, talvez essa resenha possa a ajudar os demais leitores (e posteriores ouvintes) a terem uma postura diferente diante de Malibu. Podem ouvir, sem pestanejar.

Anderson Paak Malibu2

4 comentários em “Anderson .Paak – Malibu (2016)

  1. Pingback: 15 melhores álbuns do 1º semestre de 2016 | Escuta Essa!

  2. Nossa..pra mim esse é o tipo de som que me apaixono logo no primeiro compasso!!!Fenomenal!

  3. Pingback: Kaytranada – 99,9% (2016) | Escuta Essa!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: