2016 Resenhas Rock

Rival Sons – Hollow Bones (2016)

Que tal um Led Zeppelin do século XXI?

Por Gabriel Sacramento

Oriundos da Califórnia, os caras do Rival Sons fazem parte do revival do rock clássico nos tempos atuais. Esse revival busca resgatar elementos dos anos 60 e 70, apresentando-os sob uma ótica moderna, mas de uma forma não menos incisiva. Não há nada inovador – e isso não é um demérito –, pois ir contra a onda das constantes modernizações sonoras torna o som da banda bastante destacável.

Se o rock moderno está ficando cada vez mais pesado, com distorções altas, afinações baixas e vocais extremamente rasgados e gritados, o Rival Sons aposta em distorções fuzz, vocais mais limpos muito influenciados pelo blues e sonoridade instrumental retrô. Outra boa banda que vai pelo mesmo caminho do Radio Moscow.

rival_sons_2016_2

É por isso que o quarteto californiano vem sendo comparado com o Led Zeppelin, por uma sonoridade blues rock bem próxima ao que o time de Jimmy Page explorou. Isso pode ser facilmente notado em Pressure And Time (2011). O grupo vem fazendo um trabalho excepcional, lançando discos irrepreensíveis. Um exemplo é o Great Western Valkyrie (2014), que possui grandes hits, como “Eletric Man”.

Além de nos fazer sentir na época em que o rock se destacava na música mundial e ocupava o topo das paradas, o quarteto também nos transmite a sensação de elegância, com seu som tecnicamente bem executado. Cada riff, cada componente que compõe os arranjos são desempenhados com uma maestria estupenda que impressiona e agrada aos ouvidos até de quem não sabe tocar nada.

Soar clássico pode ser perigoso, caso o anacronismo seja incapaz de conversar com tendências atuais. Não é o caso da banda. Eles conseguem fazer uma intermediação saudável entre os elementos musicais de décadas distintas.

O novo disco – Hollow Bones – continua a mantém a pegada característica da banda e enfatiza que os americanos realmente sabem o que fazem. O álbum abre com “Hollow Bones Pt.1”, que traz boas doses de guitarra fuzz e um refrão simples e marcante. “Hollow Bones Pt.2” funciona como uma continuação da primeira faixa, sendo mais longa e mais dinâmica.

A banda apresenta um ótimo cover de uma das grandes bandas de hard rock dos anos 70: Humble Pie. “Black Coffee” possui melodias harmonizadas de guitarra que lembram as que Jimmy Page gravava. A canção traz a melhor interpretação vocal do álbum. A segunda melhor interpretação está em “Fade Out”.

Um dos pontos destacáveis do som do Rival Sons é a proximidade com o pop. Em Head Down (2012), a banda explorou isso muito bem e em Hollow Bones alguns elementos pop são usados também, como os “ôoos” em “Baby Boy” – que, inclusive, possui um casamento perfeito entre o baixo e a bateria. A banda não só explora uma sonoridade clássica como a mixa com ingredientes pop, tornando tudo agradável e, de certa forma, mais palatável.

Hollow Bones também tem espaço para psicodelia. A banda traz uma ode às grandes bandas dos anos 60 com “Tied Up” e suas passagens superdissonantes, além de um refrão surpreendente. A riffaria da música é assombrosa, destacando o talento do guitarrista Scott Holiday.

Muito fuzz, blues, instrumentação excelente e refrãos irresistíveis. O Rival Sons sabe perfeitamente resgatar o som clássico do rock – que foi tão alterado com o tempo –, junto com alguma coisa do nosso tempo. Hollow Bones acerta no repertório, nos arranjos, timbres, performances e nas referências muito bem colocadas. É um disco sensacional do grupo e mantém o nível dos anteriores.

O quarteto americano soa como um Led Zeppelin dos nossos tempos. Tudo bem, eles não são tão revolucionários quanto o quarteto londrino foi, mas possuem uma grande e considerável força corrosiva sonora que deve ser levada em conta. A banda tem potencial para ser um dos grandes influentes das bandas futuras. E se continuar lançando discos excelentes como esse, vai ser bem difícil impedir.

rival_sons_2016

4 comentários em “Rival Sons – Hollow Bones (2016)

  1. Pingback: Blues Pills -Lady In Gold (2016) | Escuta Essa!

  2. Pingback: The Brew – Shake The Tree (2016) | Escuta Essa!

  3. Pingback: Mothership – High Strangeness (2017) | Escuta Essa!

  4. Pingback: Chris Stapleton – From A Room: Volume 1 (2017) | Escuta Essa!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: