2017 country Pop Resenhas Rock

Sheryl Crow – Be Myself (2017)

Fofo e semirebelde em boas proporções

Por Gabriel Sacramento

“If It Makes You Happy, it Can’t Be That Bad”

Comecemos esta resenha com uma citação da letra de “If It Makes You Happy”, clássico da Sheryl Crow dos anos 90. A americana do Missouri, formada em composição, com um histórico de participação em bandas de gente famosa como Stevie Wonder e Rod Stewart, é também atriz, mãe, feminista e uma das grandes representantes do rock country americano na década de 90. Guardadas as devidas proporções, Crow é quase uma Bruce Springsteen versão feminina – e as semelhanças vão do som ao jeito como ela empunha a guitarra nos shows, que lembra muito o The Boss.

O country sempre esteve na veia da americana. Mas no último álbum, Feels Like Home (2013), ouvimos uma vertente mais soft do estilo e menos de rock. Diante da recepção pior do que o esperado, Crow resolveu fazer um back to basics – que retoma a simplicidade e inocência dos primeiros discos, mas também ressalta a veia roqueira da garota que cresceu ouvindo Rolling Stones. Por isso, Be Myself está sendo vendido como um álbum de rock, o que foi reforçado pela volta da parceria entre a loira e Jeff Trott, produtor dos ótimos Sheryl Crow (1996) e The Globe Sessions (1998) – disco que possui aquela bela versão country de “Sweet Child O’ Mine”.

A diferença do anterior para Be Myself vai do som até a capa: No de 2013, vemos a cantora com uma expressão feliz com flores ao fundo. Já nesse novo, temos Crow sentada em uma cadeira em uma expressão séria e vestindo preto. O ensolarado pelo obscuro, afinal. A faixa título soa bastante como os Stones nos velhos tempos. A canção possui esse acento roqueiro misturado com country e uma letra que traz um questionamento interessante: “Se eu posso ser outra pessoa, por que não posso ser eu mesmo?”. A ótima “Heartbeat Away” é marcada por um lirismo misterioso e sofisticado e por uma sonoridade rock alternativo, com vocais distantes nos versos e uma explosão com mais distorção no refrão. Aqui, Crow deixa até o country de lado e se permite enveredar por algo diferente.

Sheryl Crow Be Myself 3

Em “Grow Up”, Crown soa como uma adolescente, dizendo claramente que não quer crescer. Claro, tudo é circundado por guitarras levemente distorcidas e uma vibe roqueira anos 90. “Alone In The Dark” tem aqueles versos que são difíceis de desgrudar da cabeça, com as guitarras executando as melodias, o que deixa tudo mais memorável ainda. Já “Halfway There” tem um refrão que lembra as cantoras de pop da década passada.

A impressão que temos ao ouvir Be Myself é a de que Sheryl Crow decidiu trabalhar em paralelo seu lado mais inocente e ingênuo (que resgata a jovem semi rebelde do início da carreira) com um lado mais pop polido, submetendo as faixas a estruturações bem definidas e a um feeling de tudo arrumadinho, no seu devido lugar. Trott cooperou positivamente com a cantora e ambos conseguiram um resultado que acentua ambas as características muito bem. O desejo por um som polido não sufoca a faceta mais insurgente e ambas dialogam muito bem enquanto convencem o ouvinte de que vale a pena seguir para a próxima faixa.

Mesmo com seus momentos menos fortes – afinal, o disco não é uma obra prima -, o novo trabalho da cantora americana consegue agradar os ouvintes, enquanto os intriga. Afinal, não é todo dia que ouvimos um conjunto de faixas com potencial pop, comercial, grudento e radiofônico revestido com uma capa roqueira e abafada. Crow consegue soar como uma jovem garota iniciando na música, como aquela que ouvia os Stones, mas que sabe a direção a seguir, não se deixa levar por leves distrações e também não se deixa levar pela ansiedade jovial.

Sheryl Crow Be Myself 4.jpg

Crow não precisa provar nada a ninguém, atingiu um nível absurdo de segurança em sua carreira e é essa segurança que a permite buscar referências diferentes e trazer um produto distinto e que não segue a mesma linha do anterior. Essa segurança também permite que a cantora mantenha sua personalidade intocável, enquanto tenta se renovar. Be Myself não é nenhuma inovação surpreendente, mas é um presente nostálgico para fãs de longa data. Um oi para aqueles amigos de infância que há muito tempo não se vê.

Se algo deixa a cantora feliz é referenciar seus ídolos com sua música. Be Myself permite que ela o faça, sem abrir mão da ambição comercial. Aqui, se deixar levar em busca da felicidade e realização profissional é sinônimo de resultados redondos. Afinal, se te faz feliz, não deve ser tão ruim. E não é.

Sheryl Crow Be Myself 2

Anúncios

0 comentário em “Sheryl Crow – Be Myself (2017)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: