2017 Pop Resenhas Rock

Blondie – Pollinator (2017)

O Blondie não é só a banda mais charmosa do planeta

Por Eder Albergoni

Vamos direto ao ponto: Pollinator nasce absolutamente clássico! O 11º disco de estúdio do Blondie é uma pérola do rock, sensual e divertida. Já não bastasse o charme de Debbie Harry, a banda se cerca de vários nomes de peso, seja na composição, produção ou participações nas faixas.

Tudo começa com Joan Jett nos vocais de “Doom or Destiny”. A música tem todo o poder e a energia que só poderíamos associar à runaway preferida. E o pé na porta se enfatiza nos solos de guitarra de Chris Stein e Nick Valensi. “Long Time” remete diretamente à “Heart Glass” e ao glam rock como um todo. Debbie conta com a ajuda de Dev Hynes, conhecido como Blood Orange e que já contribuiu com Solange, Sky Ferreira, Florence + The Machine, na composição. A maravilhosa trinca de abertura se completa com “Already Naked”. A música tem contornos espaciais e uma montagem atraente pra dançar.

blondie_2017

“Fun” tem composição de Dave Sitek do TV on the Radio e é perfeita para a pista. Leva um swinguinho gostoso e um certo erotismo que atinge especialmente o quadril. Já “My Monster” foi escrita por Johnny Marr, que não necessita de apresentações, e traz um ótimo arranjo de teclados e sintetizadores. É outra que cai muito bem no tapete da sala. Johnny também aparece com sua guitarra em vários momentos do disco, dando peso, base ou linhas harmônicas nas quais ele é fera.

“Best Day Ever” é a contribuição da Sia e, outra vez, do strokeano Nick Valensi. Talvez seja a faixa mais normalzinha do álbum. “Gravity”, composta por Charli XCX, também não traz nada de especial, mas firma o disco como um trabalho dançante, vivo e capaz de provocar sensações quase íntimas, se tratando de música e da voz de Debbie.

Como prova “When I Gave Up on You”, uma baladinha bem mais contida, explorar a sutileza rasgante da voz de Debbie é sucesso certo. É uma passagem perfeita pra “Love Level”, com participação do ator e comediante John Roberts e da street band What Cheer Brigade numa ótima construção no arranjo dos metais. Outra prova de como Pollinator é um disco vibrante e divertido.

“Too Much” é uma clássica canção do Blondie e funciona muito bem em todos os aspectos. É um resumo de todo o disco e parece confirmar a imponência e a relevância da banda, que não satisfeita encerra o baile com uma das melhores músicas da discografia inteira. “Fragments” tem ares colossais. É um rock de 7 minutos e uma perfeita obra sonora que, apesar de não refletir o rumo tomado no disco, guia como um farol o horizonte do grupo.

A culpa disso tudo é de um cara chamado John Congleton. O produtor acertou em cheio ao usar a experiência da banda a favor de um trabalho inteligente ao extremo. Além do mais, conseguiu capitanear uma extensa lista de nomes com coerência e eficiência. E a gente pode, sem exagero, classificar Pollinator como o melhor álbum do Blondie.

blondie_2

0 comentário em “Blondie – Pollinator (2017)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: