2017 Pop Resenhas

Lea Michele – Places (2017)

A teatral volta às raízes de Lea Michele

Por Gabriel Sacramento

Uma atriz que começou na Broadway, protagonizou uma série de TV (Glee) e agora tenta a vida na música. Baita transição, afinal. Lea Michele chega ao seu segundo disco, tentando firmar os passos, fazer seu nome, chamar o máximo de atenção para a sua música e talento e também criando nas pessoas uma identificação com sua nova carreira, que seria independente das anteriores.

No primeiro disco, a opção foi mais segura: um pop padrão, comum, feito para as FMs da vida, com direito a comparações com Katy Perry e Celine Dion. O disco dividiu opiniões, mas sua performance vocal garantiu a unanimidade entre a imprensa especializada. O que é justificável, afinal a atriz sempre demonstrou muito potencial na hora de cantar, e é o que sempre fez, desde o teatro. Por isso, no segundo disco, ela decidiu explorar um pouco mais seu talento e dotes vocais e fazer um álbum mais “teatral” e vocal. Segundo ela mesma, representaria “uma volta às suas raízes”.

lea_michele_Eric-Ray-Davidson-billboard
Foto: Eric Ray Davidson

Desde “Love is Alive” percebemos que a cantora não exagerou e foi de fato buscar a fonte que bebia nos tempos de Broadway. A faixa de abertura é simples, do tipo piano-vocal-cordas, com o destaque todo para sua bela voz. “Heavy Love” tem no fim do refrão, parte em que ela canta o título, o seu ápice, um momento de elevação quase místico, que nos faz entender o que significa feeling e como isso causa impacto. A sua voz nesse momento parece viajar efetivamente pelo espaço sonoro, encontrando brechas e as preenchendo. “Proud” também começa pianística, depois fica etérea e viajante. “Tornado” é o ápice do álbum, iniciando somente com a voz, e depois ganhando contornos harmônicos providos pelo piano. A dinâmica e a interpretação lembram “Audition (The Fools Who Dream)”, cantada por Emma Stone em La La Land (2016). Lá pelo final da canção, temos uma nota exagerada, em um dos pouquíssimos momentos em que a técnica parece sobrepor-se ao feeling.

Michele atinge em cheio a sua proposta, em um disco realmente mais vocal e mais intimista. Aliás, o nome da turnê de promoção do álbum é perfeito para descrevê-lo: An Intimate Evening with Lea Michele. De fato, nos sentimos como em um pequeno pub, com poucas pessoas, poucas luzes, em uma noite fria, com a cantora se derramando no palco, esbanjando sentimento, simpatia e deixando claro quem ela é, sem amarras, com sua pessoalidade escancarada para os dispostos a entender através do conjunto melodia, ritmo e harmonia.

Se o primeiro álbum não era suficiente para definir quem é Lea Michele como cantora, Places parece resolver essa questão de vez. Talvez até soe teatral demais, como se a cantora estivesse sempre prestes a chorar enquanto canta, e isso pode até afastar alguns ouvintes. Mas é um disco que agrada não só pela carga emocional, mas também pela sinceridade. Esse lance de voltar às raízes é tão clichê que poucas vezes entendemos isso como uma real e sincera volta ao que antes fazia a cabeça dos artistas. Dentre as opções – volta guiada majoritariamente por impulso comercial e a sincera -, esse disco parece apresentar a segunda.

Choroso, emotivo, oprimido e contrito. Se colocar pra ouvir em segundo plano, é perigoso, pois pode te fazer parar o que estiver fazendo e começar a prestar atenção no que Lea Michele canta aqui. E vale a pena.

lea_michele_2

3 comentários em “Lea Michele – Places (2017)

  1. Esse foi o meu problema com o álbum: achei teatral demais. Não consegui me conectar com as músicas… infelizmente.

    PS: Ansioso para a crítica de Witness da Katy Perry

  2. LetaJaque AC Milan OQNChrist
    Francisca Arsenal EldonWall
    LucyGosho West Ham United LonnaDelo
    ShaynaGil Manchester United CareyTunn
    AlyssaCol Slovakien YKVManuel
    TahliaSch Inter Milan MalindaSh
    DannCaffy Inter Milan AshlyAnth
    SharronHo Rumanien JeanettOl
    NicholasC Ukraina RegenassZ
    HelenCulb Dortmund AureliaQl
    AugustusL Elfenbenskusten JeanLapha
    TracyGosl Chelsea QALTheres
    RobbyKhul Olympique Lyonnais EmelyBrie
    ConcettaS Everton HollyhcU
    DarwinSar Atletico Madrid NancyPric

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: