2017 Folk Pop Resenhas Rock

Fito Páez – La Ciudad Liberada (2017)

Com capa polêmica e algumas letras engajadas, disco do compositor argentino é uma ode às pessoas

Por Eder Albergoni

O ligeiro distanciamento do cenário latino de qualquer plataforma possível de ser completamente acessada no Brasil reduz a oferta e principalmente o conhecimento do público. Artistas com apelo pop, ou mesmo com aspirações tradicionais, ficam apenas escondidos no imenso catálogo online da internet. Poucos desses artistas conseguiram, em algum momento, ultrapassar a barreira imposta pela indústria, pela língua, pelo hábito. E a grande maioria deles só conseguiram a façanha impulsionados por artistas brasileiros.

Os Paralamas e os Titãs têm certa responsabilidade por aproximar o Brasil de toda a América do Sul. São bandas que ganharam fãs em vários países sudamericanos, mas alcançaram destaque principalmente na Argentina. Os Paralamas em 1991 fizeram sucesso com “Trac Trac”, versão de uma música de um dos emergentes e principais nomes argentinos na época. Poucos anos depois, os Titãs trouxeram esse artista para uma participação especial no Acústico MTV (1997). Já conhecido de boa parte do público nacional, o convite se consolidou como o momento em que Fito Páez apertou os laços da música no sul da América.

Fito se moldou na escola Charly García de canção com composições políticas e que traziam reflexões sobre o pós-regime militar argentino, contrastando com o crescimento e a dificuldade social de um país de terceiro mundo. Porém, sempre com arranjos e melodias alegres, as letras acabavam exibindo tons otimistas e progressivos. Fito facilmente pode ser alçado ao posto de maior artista argentino do período, por tudo que seus discos significavam em escala continental, incluindo o Brasil, depois do lançamento do ótimo Circo Beat (1994) que trazia o grande feito da carreira: “Mariposa Tecknicolor”.

La Ciudad Liberada aparece dois anos depois da empreitada de Fito com Paulinho Moska no disco Locura Total (2015). Uma experiência sonora que estreitou ainda mais os laços de Fito com o atual cenário brasileiro e que, de certa forma, cria uma atmosfera única na concepção artística do novo álbum. Para nosotros acostumbrados com tal distanciamento, qualquer manifestação pop vinda de los hermanos ainda soa de maior estranheza.

23734941_2042209152733059_8581631586993176576_n

A verdade é que a realidade dos países do continente não é muito diferente, como em algum momento a ilusão soberana de um país orgulhoso pode ter feito parecer com maiores contornos. A situação política e social ainda merece destaque nas composições de Fito e no novo disco não há razão para o contrário. La Ciudad Liberada é uma ode às pessoas. “Aleluya al Sol” pode ser encarada como um posicionamento contra o machismo, já que Fito cita o coletivo #NiUnaMenos num belíssimo pop otimista e característico de sua discografia.

A música que dá título ao álbum é um rock vigoroso que recupera Circo Beat e também El Amor Después del Amor (1992). “Islamabad” começa com todo jeitão world music de influências árabes, com letra engajada e que descamba num excepcional rock sinfônico. Ainda se destacam a clássica balada “Wo Wo Wo”, a leveza de “Los Cerezos Blancos”, a sentimental, quase religiosa, “Plegaria” e a suficientemente épica “Otra Vez el Sol”.

A polêmica fica por conta da montagem da capa. O que resume bem a importância real de La Ciudad Liberada em se afirmar como um disco em sincronia com seu tempo. Em um mundo cada vez mais globalizado, em uma região cada vez mais gentrificada e com problemas que dizem respeito a todos, um disco como este e um artista como Fito Paez continuarem escondidos é um absurdo.

20347737_746797772174584_3317478536666677248_n

Anúncios

0 comentário em “Fito Páez – La Ciudad Liberada (2017)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: